Blink-182: Califórnia

Ana Rosa |

★★★☆

Você poderia facilmente comparar a energia e o humor do novo álbum do Blink-182 Califórnia com seu lançamento de 1999 Enema Do Estado .



A atitude pop-punk hino deste álbum de retorno está repleta de letras reminiscentes, melodias cativantes e total tolice.

A adição de Matt Skiba do Alkaline Trio à banda (na ausência de Tom DeLonge) não inibe o Blink tradicional de forma alguma - ao contrário, ele invoca o mantra da banda e em faixas como 'Left Alone' prova seu valor como co-vocalista , agarrando-se às travessuras fraternas de Mark Hoppus e Travis Barker.

No entanto, no meio do álbum, a novidade ficou monótona e o assunto das letras tornou-se o mesmo - são todas as memórias melancólicas de suas cidades natais e as travessuras da juventude desperdiçada, que às vezes soa mais trágica do que engraçada para um grupo. de 40 e poucos anos. Com Skiba a bordo, havia potencial para alcançar algum tipo de avanço musical que ainda pudesse aderir ao Blink que conhecemos e amamos, mas isso simplesmente não acontece.

Em última análise, este é um álbum de conflito. Enquanto volta às raízes punk aceleradas dos dias passados ​​com faíscas de excelência, deixa até mesmo fãs dedicados desejando que o Blink fique longe de manchar seu legado.

Blink-182 Califórnia já está disponível no BMG/ Libertador .